sexta-feira, 22 de maio de 2015

O Exótico Hotel Marigold 2 (The Best Exotic Marigold Hotel 2)

País: EUA
Ano: 2015
Gênero: Comédia
Duração: min
Direção: John Madden
Elenco: Judi Dench, Bill Nighy, Richard Gere, Maggie Smith, Dev Patel, David Strathairn, Tena Desae, Celia Imrie e Ronald Pickup.

Sinopse: Sonny Kapoor (Dev Patel) tenta encontrar tempo para expandir os negócios enquanto se preprara para o casamento com Sunaina (Tena Desae). O Hotel Marigold tem lotação praticamente esgotada e ele precisa de uma nova propriedade para receber novos hóspedes.

Crítica: um filme de narrativa, com uma trama simples e uma pitada de comédia – enfim, sem grandes pretensões, assim como o primeiro (de 2011). A história é agradável e os personagens interessantes. Dessa vez, ao invés de buscar formas de relaxamento na Índia, os protagonistas decidiram viver e trabalhar no país. Douglas (Bill Nighy) virou guia turístico de monumentos que mal conhece, Madge (Celia Imrie) e Norman (Ronald Pickup) trabalham no restaurante que é o local de encontro de todos, Evelyn (Judi Dench) caça tecidos exóticos e Muriel (Maggie Smith) coadministra o hotel que se tornou um sucesso tão grande que seu ambicioso sócio, Sonny Kapoor (Dev Patel), pretende expandir os negócios e criar uma franquia.
Para isso, procura uma rede norte-americana de hotéis e, após uma bizarra reunião na qual o assunto principal é a maneira apropriada de servir chá (pois é), fica combinado que um agente do grupo se hospedará no hotel secretamente para avaliar a viabilidade do projeto. Esse é o pano de fundo para novas confusões de Patel, porém, a trama gira mesmo ao redor dos relacionamentos dos amigos e casais da terceira idade residentes do Exótico Hotel Marigold, afinal, o longa é uma despreocupada comédia romântica.
O elenco é bem entrosado e ainda conta com a participação especial de Richard Gere. O filme, repleto de clichês, pode agradar pelos personagens carismáticos que estão em uma nova etapa de suas vidas, e por divertir quem apenas quer relaxar no cinema.

Avaliação: ***

Read more...

Miss Julie (Miss Julie)

País: Inglaterra/Noruega
Ano: 2014
Gênero: Drama
Duração: 129 min
Direção: Liv Ullmann
Elenco: Jessica Chastain, Colin Farrell, Samantha Morton e Nora McMenamy.

Sinopse: em 1890, ao longo de uma noite de verão em Fermanagh, a filha insegura de um aristocrata anglo-irlandês incentiva o valet de seu pai a seduzi-la.

Crítica: “Miss Julie” é um filme de época um pouco atípico. Com praticamente apenas quatro atores em cena, pode-se afirmar que é uma obra minimalista e intimista.
Os cenários são grandiosos; a história se passa em um dos seis condados da Irlanda do Norte), que se torna um elemento importantíssimo para a construção daquela época. Mas o foco da trama mesmo é uma longa digressão sobre a relação entre nobres e seus serviçais, especialmente os que não se diferem dos donos de terras em termos de instrução, educação e ambição.
Julie (Jessica Chastain) é uma jovem aristocrata e está completamente incomodada com todos os eventos sociais que envolvem sua época. Revoltada e com uma mente muito à frente do seu tempo, Julie começa um relacionamento com um dos serviçais de seu pai e isto desencadeará um problema.
A trama, adaptada da peça de August Strindberg, dramaturgo, romancista, ensaísta e contista sueco que ficou mundialmente famoso com uma peça chamada “O Pelicano”, (“Miss Julie” é uma peça escrita em 1888), se passa no dia do solstício de verão, quando é feita uma tradicional festa para celebrar o evento. Acompanhamos praticamente em tempo real as conversas entre a prestativa e obediente Kathleen (Samantha Morton), o inquieto John (Colin Farrell) e a controversa Miss Julie, filha do Barão e patrão dos dois primeiros. John e Kathleen conversam a respeito do comportamento inadequado de Miss Julie com relação a seus empregados quando esta aparece informalmente na cozinha. A partir daí há uma série de diálogos que jogam através das tentativas de Miss Julie de seduzir John, mesmo sabendo que Kathleen é cortejada por ele. O que ela não sabe é que John é um ser amargurado por não fazer parte daquela vida de luxos, e tudo o que ele gostaria é uma chance de poder mudar de classe social. A presença da indecorosa Miss Julie acaba servindo de estopim involuntário aos seus anseios.
Mesmo tendo uma história simples, o mais interessante é acompanhar as conversas entre esses três personagens (a quarta personagem, a título de curiosidade, é a própria Miss Julie quando criança, interpretada pela jovem Nora McMenamy nos primeiros minutos de projeção) e entender suas visões de vida em uma época com regras sociais e convenções tão rígidas que no imaginário coletivo torna-se impossível sequer pensar em infringir qualquer uma delas.
A questão é manter o ritmo dessa análise e discussão até o final do filme. O roteiro não foi feliz no sentido de envolver o espectador com seus personagens, por melhores que suas atuações estejam.
Com um desfecho um tanto quanto curioso, agradará só aqueles que forem menos exigentes quanto a um bom cinema.

Avaliação: **

Read more...

Crimes Ocultos (Child 44)

País: EUA
Ano: 2015
Gênero: Drama
Duração: 137 min
Direção: Daniel Espinosa
Elenco: Tom Hardy, Noomi Rapace, Gary Oldman, Joel Kinnaman, Agnieszka Grochowska, Vincent Cassel e Vlastina Svátková.

Sinopse: durante o opressor regime stalinista na União Europeia, um oficial da segurança percebe um padrão no assassinato de crianças e imagina existir um serial killer. O Estado não quer saber do caso e exila o oficial para que ele não possa prosseguir com a análise dos fatos. No entanto, este homem obstinado decide investigar o caso por conta própria, correndo risco de retaliação.

Crítica: o filme tem muitos aspectos positivos: cria um retrato realista e sombrio da Cortina de Ferro nos anos 1950; conta com um grande elenco (Tom Hardy, Noomi Rapace, Gary Oldman, Joel Kinnaman); e o roteiro é baseado no interessante livro de Rob Tom Smith. Porém, não é o suficiente para captar o peso da história e nem criar o mistério necessário que mantenha a trama tão interessante quanto os eventos que se desenrolam. Contribuem ainda para isso o exagero de subtramas, revelações desnecessárias e cenas de ação mal executadas.
O filme aborda uma série de assassinatos de crianças em diversas regiões da União Soviética e como o regime procura abafá-los na tentativa de vender a ideia de que a sociedade comunista é perfeita. Esse clima repressor é bem recriado.
A história segue Leo Demidov (Hardy), proeminente agente da MGB, desonerado após recusar-se a denunciar sua esposa Raisa (Rapace) como traidora. Exilados para o interior pobre da USRR, Leo e Raisa se aliam ao general Mikhail Nesterov (Oldman) para rastrear um serial killer de meninos. A forma como os personagens deixam de se preocupar com a própria segurança para resolver o caso é heroica, porém, difícil de acreditar em vista dos acontecimentos que os levam até aquele ponto. Surge aí o primeiro ponto pouco convincente.
Além disso, falta uma tensão que crie, de fato, o suspense esperado na trama. A revelação dos assassinatos é precoce e a narrativa fica menos interessante. Alguns personagens deveriam ter mais espaço ou ser melhor desenvolvidos na trama, o que não ocorre.
Outro agravante é o sotaque russo dos personagens, o que não faz sentido, já que falam inglês. O resultado é algo artificial e sem convencimento. Com exceção de Tom Hardy, as demais atuações passam longe da naturalidade.
Crimes Ocultos deixa muito a desejar e é uma pena que a história não funcione.

Avaliação: **

Read more...

Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência (En Duva Satt på en Gren Och Funderade på Tillvaron)

País: Suécia/ Noruega/ França/ Alemanha
Ano: 2014
Gênero: Comédia dramática
Duração: 100 min
Direção: Roy Andersson
Elenco: Holger Andersson, Nils Westblom e Charlotta Larsson.

Sinopse: na rotina do dia a dia, um mergulho sobre o caos atual, um quase apocalipse iminente, mas que também enxerga o mundo cheio de pequenos momentos únicos, de sonhos e fantasias, lembrando da grandeza da vida e da fragilidade do homem. O filme encerra uma trilogia composta por "Canções do Segundo Andar" (2000) e "Vocês, os Vivos" (2007), em que o diretor sueco propõe um estilo radical para retratar situações cotidianas e experiências banais, expondo a universalidade delas.

Crítica:

Avaliação: a conferir

Read more...

Ali

País: EUA
Ano: 2001
Gênero: Drama
Duração: 167 min
Direção: Michael Mann
Elenco: Will Smith e Jamie Foxx.

Sinopse: o filme é baseado na vida do pugilista Muhammad Ali (Will Smith). O esportista chamava a atenção tanto dentro como fora do ringue: além de vencer lutas e o campeonato, ele era inteligente, contestador, carismático, eloquente. Quando se converteu ao islamismo, mudou seu nome de Cassius Clay para Mohammad Ali, e com este nome ficou conhecido como uma das figuras mais importantes dos anos 60 e 70.

Crítica: para compor o boxeador Cassius Clay, mais conhecido por Muhammad Ali, Will Smith teve de passar por uma verdadeira maratona de exercícios e dietas alimentares, para aumentar seu peso de 83 para 100 quilos em um ano. Também teve de aprender a falar, gesticular e lutar como o verdadeiro campeão, assistindo a vídeos e treinando com pugilistas profissionais. Para dar realismo às cenas, Smith dispensou o uso de dublês, bateu e recebeu golpes para valer, ao som de uma contagiante trilha sonora.
O diretor Michael Mann (O Último dos Moicanos) conta a trajetória do lendário boxeador, polêmico e fanfarrão, Ali, de 1964 a 1974, que enfrentou desafios tanto dentro quanto fora dos ringues. Campeão mundial dos pesos pesados aos 22 anos, Ali teve de enfrentar o preconceito racial e religioso, além do governo norte-americano, quando se recusou a servir o Exército em plena Guerra do Vietnã.
Will Smith conseguiu encarnar Ali não só fisicamente, mas também em suas feições, gestos, falas e idiossincrasias. Para quem não apostava que o ex-rapper pudesse se desvencilhar de papéis cômicos em seriados de TV e na série MIB – Homens de Preto, Smith provou ser um ator de talento, que mereceu as indicações ao Globo de Ouro e ao Oscar.
Além da atuação de Smith, outro ponto forte do filme é o roteiro bem-costurado, que não perde o fio condutor para contar a transformação de Classius Clay em Muhammad Ali, sua relação com o islamismo, as mulheres, a mídia e os adversários. Ali são retratados, com fidelidade, dez anos da vida e carreira de um dos maiores boxeadores do mundo.

Avaliação: ****

Read more...

Metanoia

País: Brasil
Ano: 2014
Gênero: Drama
Duração: 107 min
Direção: Miguel Nagle
Elenco: Caique Oliveira, Caio Blat e Lucas Hornos.

Sinopse: Eduardo é mais um em meio aos milhares de usuários regulares e dependentes do crack. Criado na periferia de São Paulo, a boa educação oferecida por sua mãe, Solange, não o impediu de ficar preso no mundo das drogas. Ele fica perdido em meio à autodestruição, enquanto Solange tenta desesperadamente salvar o filho do vício.

Crítica:

Avaliação: a conferir

Read more...

Divã a Dois

País: Brasil
Ano: 2014
Gênero: Comédia
Duração: 93 min
Direção: Paulo Fontenelle
Elenco: Vanessa Giácomo, Rafael Infante, Marcelo Serrado e Fernanda Paes Leme.

Sinopse: Eduarda (Vanessa Giácomo) é uma ortopedista bem-sucedida, casada com o produtor de eventos Marcos (Rafael Infante) há 10 anos. Devido ao desgaste do relacionamento, eles resolvem fazer uma terapia de casal. Só que, durante as sessões, eles decidem se separar. É quando Eduarda conhece Leo (Marcelo Serrado), por quem fica interessada.

Crítica:

Avaliação: a conferir

Read more...

As Maravilhas (Le Meraviglie)

País: Itália
Ano: 2014
Gênero: Drama
Duração: 111 min
Direção: Alice Rohrwacher
Elenco: Maria Alexandra Lungu, Sam Louwyck, Alba Rohrwacher, Sabine Timoteo, André Hennicke, Margarete Tiesel e Monica Bellucci.

Sinopse: Gelsomina (Maria Alexandra Lungu) é uma jovem moça que vive com seus pais e suas irmãs na região da Toscana, cercada por natureza. A serenidade e calma de seus dias parecem ser perturbadas com a chegada de Martin em sua vida.

Crítica: “As Maravilhas” é um filme incomum. Não tem uma trama mirabolante, mas seus personagens complexos são extremamente cativantes e, quando se percebe, já estamos envolvidos.   
O longa, vencedor do Grande Prêmio do Júri do Festival de Cannes de 2014, centra-se na história de Gelsomina (Maria Alexandra Lungu), uma jovem garota que vive com os pais e com as três irmãs na região da Toscana. Ela ajuda o pai na produção artesanal de mel, que é a principal fonte de renda da família, que vive em dificuldades. Exótico e sonhador, o patriarca está sempre se envolvendo em negócios estranhos, como investir em um camelo.
No entanto, a vida de Gelsomina, e de sua família, sofre uma mudança radical com a chegada do garoto Martin, que é de certa forma adotado e passa a trabalhar na casa. Os dois desenvolvem uma relação de cumplicidade que é focada totalmente no silêncio, visto que o jovem praticamente não fala. São essas relações entre os personagens que são muito bem desenvolvidas.
O elenco é afinado. Maria Alexandra Lungu passa com perfeição a inocência e sabedoria desta menina que tem responsabilidades de adultos. Sam Louwyck interpreta o pai da protagonista e passa bem o sentimento de sonhador e ao mesmo tempo tímido, mas que tem orgulho da família e de seu mel. Ele protagoniza boas cenas com Alba Rohrwacher e Sabine Timoteo, na clássica dinâmica de família italiana barulhenta e confusa.

Avaliação: ***

Read more...

O Imigrante Russo (Nemez)

País: Alemanha
Ano: 2012
Gênero: Suspense
Duração: 97 min
Direção: Stanislav Güntner
Elenco: Mark Filatov, Emilia Schüle e Alex Brendemühl.

Sinopse: Dima (Mark Filatov) é um alemão-russo que decide mudar de vida e ir para Berlin, para fugir de seu passado. Ele conhece a estudante de arte Nadja (Emilia Schüle), por quem se apaixona. No entanto, as antigas conexões criminosas de Dima o perseguem e podem causar grandes desastres para ele e sua amada.

Crítica: já assisti a muitos filmes alemães e posso afirmar, sem dúvida alguma, que este foi o pior que vi projetado em uma tela de cinema.
Totalmente novelesco, com imagem amadora e atuações bestiais, o filme que tem uma história interessante – a reabilitação de um jovem imigrante russo à sociedade alemã, após o cumprimento da sua pena – perde-se em um romance bobo e em situações vexatórias que não justificam chamar a obra de cinema.
Repleto de clichê e extremamente previsível, nada salva o filme do fracasso total.

Avaliação: *

Read more...

O Vendedor de Passados

País: Brasil
Ano: 2014
Gênero: Suspense
Duração: 82 min
Direção: Lula Buarque de Hollanda
Elenco: Lázaro Ramos, Alinne Moraes, Odilon Wagner, Mayana Veiga e Anderson Muller.

Sinopse: o que você faria se pudesse alterar erros ou lembranças dolorosas do passado? Esta é a profissão de Vicente: ele vende passados às pessoas, criando documentos, fotos e outros indícios necessários para reescrever a história. Esta trama é uma adaptação do livro de mesmo nome, escrito pelo angolano José Eduardo Agualusa. O filme discute a importância da memória e da história de vida.

Crítica:

Avaliação: a conferir

Read more...

Poltergeist – O Fenômeno

País: EUA
Ano: 2014
Gênero: Terror
Duração: 94 min
Direção: Gil Kenan
Elenco: Sam Rockwell, Jared Harris e Rosemaire DeWitt.

Sinopse: adaptação da clássica história de eventos sobrenaturais.

Crítica:
Avaliação: a conferir

Read more...

quinta-feira, 14 de maio de 2015

FoxFire – Confissões de uma Gangue de Garotas (FoxFire)

País: França/Canadá
Ano: 2014
Gênero: Drama
Duração: 144 min
Direção: Laurent Cantet
Elenco: Raven Adamson, Katie Coseni, Madeleine Bisson, Claire Mazerolle, Rick Roberts, Rachael Nyhuus, Briony Glassco e Ali Liebert.

Sinopse: Nova York, anos 1950. Um grupo de garotas, cansadas dos abusos que sofrem diariamente na fábrica em que trabalham, resolvem criar uma gangue só de mulheres chamada Foxfire. Elas carregam uma tatuagem específica nos ombros para identificar quem pertence ao grupo. O bando irá usar de violência para se vingar das humilhações sofridas nas mãos dos homens.

Crítica: um filme bastante crítico que retrata um grupo de jovens mulheres reprimidas por famílias conservadoras e um ambiente machista, nos anos 50, no interior dos Estados Unidos. Sexo, violência, questão racial, diferença de classes, abandono familiar, tudo é tema do longa que tem a direção de Cantet, o mesmo de “Entre os Muros da Escola”.
Vistas como um objeto de desejo ou uma figura frágil merecedora de opressão, elas formam um grupo, uma espécie de irmandade chamada Foxfire. Elas serão capazes de atos extremos em nome de sua liberdade. A trama é bem desenvolvida, prendendo a atenção do espectador, mas o grande mérito mesmo está no elenco em escalado. Margaret ou Legs (Raven Adamson) e Maddy (Katie Coseni) são os grandes destaques da história, com atuações seguras e convincentes. Legs é a mais radical, a mais ousada, a cabeça do grupo e seguida por todas até que conflitos começam a surgir. No entanto, todas elas são diferentes e têm uma personalidade forte, cada qual essencial para os fatos que vão se desenrolar. 
O desfecho é inesperado, entre tantas possibilidades.  
Mesmo com um roteiro envolvente, o longa-metragem falha ao ser extenso demais. De qualquer forma, o seu aspecto crítico e denunciante já vale o ingresso.

Avaliação: ***

Read more...

Ben-Hur

País: EUA
Ano: 1959
Gênero: Épico
Duração: 212 min
Direção: William Wyler
Elenco: Charlton Heston, Stephen Boyd, André Morell, Cathy O'Donnell, Finlay Currie, Frank Thring, George Relph, Haya Harareet, Hugh Griffith, Jack Hawkins, Martha Scott, Sam Jaffe e Terence Longdon.

Sinopse: em Jerusalém, o rico Judah Ben-Hur (Charlton Heston) começa a se identificar com seus compatriotas que querem se livrar do domínio de Roma, acabando por entrar em conflito com seu amigo, o romano Messala (Stephen Boyd). Um acidente faz com que Ben-Hur seja levado a Gales, mas sua sorte muda quando ele salva a vida de um nobre romano que o adota como filho. Filme recordista em números de Oscar: recebeu 11, em 1960.

Crítica: um filme épico obrigatório, realmente impressionante. Tudo ali é exagerado, como deveria ser, e não deixa nada a dever aos filmes modernos quando o assunto são os cenários, figurantes, armaduras, figurinos, trilha sonora – um espetáculo grandioso que comove e fascina.
A história do príncipe, que traído pelo amigo se torna escravo, apenas para ascender depois como nobre romano em busca de vingança é retratada aqui de forma incrível e em 4 horas de trama. Charlton Heston (Bem-Hur) e Stephen Boyd (Messala) são as grandes estrelas do épico que recebeu 11 Oscars. Merece destaque também Hugh Griffith, no papel do sheik Ilderim, que é o personagem que o conduzirá para a famosa disputa com Messala na corrida de quadrigas que, por sinal, dura 9 minutos. Excepcional. Outra cena de tira o fôlego é a que se passa nas galés romanas, onde Ben-Hur trabalha como escravo por 5 anos, sem ter qualquer notícia de sua irmã e mãe, presas pelo exército romano.
É interessante ver como a história de Jesus de Nazaré ocorre de forma paralela, sem qualquer citação ao seu nome e sem mostrar o rosto do ator que o interpreta. Ao final, seu destino cruza-se de com o de Ben-Hur.
Curiosidades: “Ben-Hur” surgiu como um livro em 1880. A história por trás do livro por si só já daria um filme: Lew Wallace, general combatente na Guerra de Secessão E QUE ERA ATEU, resolveu escrever um livro a partir de suas próprias pesquisas sobre o Cristianismo. Wallace percebeu, ao conversar com um coronel agnóstico, que sabia muito pouco sobre Cristo. As pesquisas de Wallace serviram para que ele revalidasse sua fé, QUE ACABOU SE CONVERTENDO, e assim sua obra surgiu para louvar Jesus, tanto é que o título original é “Ben-Hur: uma história de Cristo”. O livro se tornou logo um best-seller, sendo até abençoado pelo Papa. O livro é muito minucioso em suas descrições e na maneira como usa a Bíblia como fonte.
A primeira versão do filme foi feita em 1907, dois anos após a morte de Lew Wallace, sem a autorização da família. Este filme primitivo e com pouco mais de 10 minutos foca nas cenas de transição, mais “fáceis” de serem filmadas que uma multidão de remadores ou uma corrida de quadrigas. A grande importância do filme foi ter sido feito sem a autorização dos herdeiros, que processaram o estúdio, e a partir de então ficou estabelecido que os autores ou herdeiros dos autores dos trabalhos que fossem adaptados para o cinema deveriam ser pagos, isto é, se a obra não estiver em domínio público.
Felizmente, o cinema evoluiu muito em 18 anos e em 1925 a recém-fundada MGM lançou uma nova versão de Ben-Hur, que foi a produção mais cara do cinema mudo. Com mais de quatro milhões de dólares de orçamento (na época) e filmagem em locações na Itália, este épico mudo se torna inesquecível ao acrescentar sequências coloridas. Muitos atores e atrizes, já famosos ou ainda por conseguir seu lugar em Hollywood, participaram como extras da cena da corrida, embora nenhum seja reconhecível na multidão. Outro que também estava lá era William Wyler, diretor da versão de 1959, que trabalhava como assistente de direção. O produtor Sam Zimbalist também trabalhou no filme de 1925 como editor.
A versão de 1959 só saiu do papel depois de seis anos de pré-produção e muitas especulações. O custo total do filme foi de 15 milhões de dólares. Só a famosa corrida, com nove minutos de duração, levou cinco semanas para ser filmada. A grandeza da sequência ajudou a criar várias lendas, a maioria incluindo a morte de cavalos e dublês, o que de fato não aconteceu, mas serviu para atiçar ainda mais a curiosidade do público.
Embora Ben-Hur pareça ser o protagonista, a história com seu final feliz não existiria sem Jesus. Mesmo assim, não houve qualquer menção a Cristo no filme de 1907, e nas versões de 1925 e 1959 o ator que interpreta Jesus não recebe crédito e não mostra o rosto. Em ambos os casos, o papel de Jesus foi a única participação desses atores no cinema. Nas adaptações para os palcos, Jesus também não é mostrado, e em seu lugar aparece apenas um facho de luz, ideia do próprio Lew Wallace.
As filas para ver Ben-Hur, mesmo semanas após a estreia, dobravam quarteirões, não importava a cidade onde fosse. O épico arrecadou mais de cinco vezes seu custo nas bilheterias e contou com uma campanha de marketing sem precedentes, que incluía vários dos brindes e produtos que vemos ainda hoje ligados aos filmes de sucesso. Na noite do Oscar, não teve para ninguém. Os lucros do diretor William Wyler, junto com seu terceiro Oscar, deixaram-no em situação financeira confortável pelo resto da vida.

Avaliação: ****

Read more...

O Franco Atirador (Gunman)

País: França/Espanha/Reino Unido
Ano: 2015
Gênero: Ação
Duração: 116 min
Direção: Pierre Morel
Elenco: Sean Penn, Idris Elba, Javier Bardem, Ray Winstone e Mark Rylance.

Sinopse: o assassino profissional Jim Terrier (Sean Penn) quer se aposentar e seguir a vida com seu grande amor (Jasmine Trinca). Mas a organização para qual trabalha, chefiada pelo inescrupuloso Felix (Javier Bardem), não admite a sua decisão e o força a fazer mais um serviço. Jim não aceita e decide expor todos os segredos da organização.

Crítica: por mais que se fale mal dos filmes estrelados por Liam Neeson, melhor assistir aos dele, talvez porque já tenha se tornado um mestre nesses papeis. Sean Penn tenta aqui, mas não é a mesma coisa.
Com excesso de músculos, muita ação, tiros e sangue, a trama precisava ser mais realista para convencer.
O elenco conta também com Javier Bardem que faz uma excelente participação, ainda que pequena. Mas nem atores talentosos sustentam o filme que se estende demais. São 116 minutos de cenas e situações que se repetem. Em certo momento, apesar de toda ação e certo suspense, a trama fica enfadonha.
De qualquer forma, traz uma boa crítica ao mundo movido por ganância, mesmo que em detrimento de uma maioria miserável e já marginalizada pela violência e miséria, como é o caso do Congo, país em que a trama começa.
No mais, são cenários bonitos, como Londres e Barcelona, um romance a três para esquentar o clima e uma rede de intrigas a se desmantelar.
Para quem busca somente diversão, o filme vai agradar.

Avaliação: **

Read more...

Sorria, Você Está Sendo Filmado!

País: Brasil
Ano: 2014
Gênero: Comédia
Duração: 80 min
Direção: Daniel Filho
Elenco: Otávio Augusto, Juliano Cazarré, Deborah Secco, Juliano Cazarré, Lázaro Ramos, Lúcio Mauro Filho, Marcos Caruso, Otávio Augusto, Pedro Nercessian, Roberta Rodrigues, Susana Vieira e Thiago Rodrigues.

Sinopse: a comédia aborda temas atuais, como a superexposição das pessoas em redes sociais e em reality shows, e mostra que a reação das pessoas muda à medida que descobrem que estão sendo filmadas. Expõe a cômica reação do síndico (Otavio Augusto), do porteiro (Lázaro Ramos), da faxineira (Roberta Rodrigues), da ex-atriz (Susana Vieira), do homem de preto (Lucio Mauro Filho), dos policiais (Juliano Cazarré e Thiago Rodrigues) e outros personagens diante de uma surpresa num prédio até a descoberta da presença de uma webcam ligada filmando toda confusão e gerando uma mudança de comportamento. Inspirado na obra "Morte de um homem nos Bálcãs (2012)", do sérvio Miroslav Momcilovic.

Crítica: o início chama a atenção: um homem solitário, diante do computador, posiciona a webcam para que capte boa parte do que acontece na sala onde está. Sem qualquer trilha sonora, os minutos iniciais permitem ao espectador observar a dor pessoal deste personagem até o súbito suicídio (ouvido, mas não exibido). Este prelúdio é essencial para a história que será apresentada a seguir, mas não se engane: Sorria, Você Está Sendo Filmado é uma comédia.
Há dois aspectos bem explícitos no roteiro: o primeiro, repleto de um humor negro bastante ácido, gira em torno dos vários personagens que encontram o cadáver em seu apartamento. Cada nova aparição, ou desdobramento com os mesmos personagens, revela o quanto os interesses pessoais se sobrepõem ao peso da morte – sentido, mas pouco respeitado. Por mais que haja um certo exagero em alguns casos, é também uma analogia direta aos dias atuais, onde o individualismo ganha cada vez mais espaço. E o segundo, ainda mais interessante, é a complexa relação entre o ser humano e a câmera. Tudo porque a tal webcam do começo do filme jamais fica desligada e é através dela que o espectador acompanha o que acontece no apartamento. Por mais que haja esta consciência do público desde o princípio, é quando os personagens descobrem que estão sendo filmados que tudo torna-se ainda maior, pela constatação de o quanto a realidade é manipulada quando se percebe a chance, mesmo que mínima, de alcançar certa fama e sucesso.
Além de um roteiro hábil e espirituoso, nos diálogos e na criação de situações absurdas, “Sorria, Você Está Sendo Filmado” tem uma direção segura e ousada de Daniel Filho. O longa é apresentado como se contasse com um único plano-sequência, em que os atores entram e saem de cena constantemente, quando na verdade há 15 cortes bastante sutis que dão um toque a mais.
Bastante teatral e com um humor mais requintado na percepção do mundo à sua volta, vale destacar ainda a oportuna abordagem da influência da Rede Globo no imaginário popular, tanto como impacto cultural como no sentido de deter o poder (de mídia, de controle, de prestígio).
Um trabalho diferente do que temos visto, recentemente, no cinema brasileiro. 

Avaliação: **

Read more...

Desaparecido – Um Grande Mistério (Missing)

País: EUA
Ano: 1982
Gênero: Drama
Duração: 122 min
Direção: Costa-Gravas
Elenco: John Shea, Sissy Spacek, Melanie Mayron, Jack Lemmon, Keith Szarabajka, Joe Regalbuto, John Doolittle, Charles Cioffi, David Clennon e Hansford Rowe. 

Sinopse: Ed Horman (Jack Lemmon) é um americano que enfrenta uma verdadeira via crucis para tentar encontrar o seu filho Charlie (John Shea), desaparecido no Chile dias após o golpe de estado que depôs o presidente Salvador Allende.

Crítica: “Desaparecido (Missing)” é um filme bastante crítico sobre o regime de ditaduras militares na América do Sul patrocinadas e treinadas pelo governo norte-americano, como todos os outros trabalhos de Costa-Gravas que costumam fazer denúncias políticas e sociais.
O longa-metragem, vencedor do Oscar na categoria de melhor roteiro adaptado e do Globo de Ouro em 1983, tem um bom elenco, destacando-se Jack Lemom e Sissy Spacek, que interpretam o pai e a esposa de Charlie, respectivamente.
Em setembro de 1973, no Chile, o jornalista Charles Horman chega a Santiago com sua amiga Terry Simon para se encontrar com sua esposa Beth e levá-la de volta para Nova Iorque com ele. Entretanto, eles são surpreendidos pelo golpe de estado dos militares, patrocinado pelo governo norte-americano para derrubar o presidente eleito pelo povo Salvador Allende, e Charles é preso pelos militares.
Seu pai, Ed Horman, um homem de negócio conservador de Nova Iorque, chega ao Chile para procurar seu filho, que está desaparecido. Ele e Beth vão ao Consulado Americano se encontrar com o cônsul dos Estados Unidos, que promete todo o esforço possível para encontrar Charles, enquanto a cética Beth não acredita na palavra da autoridade norte-americana.
O nacionalismo e a confiança exacerbados de Ed Horman em seu governo muda quando ele descobre a verdade sobre o que aconteceu com seu amado filho.
O espectador acompanha, com aflição e dor, esse caminho pela verdade. Um filme duro, mas necessário.  

Avaliação: ****

Read more...

A Estrada 47

País: Brasil
Ano: 2014
Gênero: drama
Duração: min
Direção: Vicente Ferraz
Elenco: Daniel de Oliveira, Francisco Gaspar, Júlio Andrade, Ivo Canelas, Sergio Rubini, Thogun Teixeira e Richard Sammel.

Sinopse: na Segunda Guerra Mundial, o Brasil era aliado dos Estados Unidos, Inglaterra e França. Na época, foram encaminhados mais de 25 mil soldados da FEB (Força Expedicionária Brasileira) para combater os inimigos, representados pelo Eixo: Alemanha, Itália e Japão. Quase todos de origem pobre e, em sua maioria, despreparados para o combate, os pracinhas tiveram que aprender na prática a lutar pela sobrevivência. Depois de sofrerem um ataque de pânico coletivo, no sopé do Monte Castelo, os soldados Guimarães, Tenente, Piauí e Laurindo tentam descer a montanha, mas acabam se perdendo um dos outros. Quando conseguem se reencontrar, precisam decidir se retornam para o batalhão e correm o risco de enfrentar a Corte Marcial por abandono de posto, ou voltam para a posição da noite anterior e se arriscam a enfrentar um ataque surpresa do inimigo. É quando conhecem o jornalista Rui, que conta sobre um campo minado ativo e eles acham ser essa a chance de se redimirem da mancada que cometeram, mas muita coisa ainda está por acontecer e a guerra está longe de acabar.

Crítica:

Avaliação: a conferir

Read more...

Anna K.

País: Brasil
Ano: 2014
Gênero: Drama
Duração: 100 min
Direção: José Roberto Aguilar
Elenco: Leona Cavalli, Vadim Nikitin e Elena Nikitina.

Sinopse: Niktin é um professor de russo. Uma de suas alunas, Joana, começa a sofrer um distúrbio de personalidade: por um lado ela é romântica, por outro lado, e torna-se sarcástica quando acredita ser Anna Karenina. O professor tenta salvá-la do destino trágico da personagem literária.

Crítica:

Avaliação: a conferir

Read more...

O Grande Kilapy

País: Portugal/ Angola/Brasil
Ano: 2012
Gênero: Drama
Duração: 102 min
Direção: Zezé Gamboa
Elenco: Lázaro Ramos, Pedro Hossi e João Lagarto.

Sinopse: Joãozinho (Lázaro Ramos) é um jovem angolano, malandro e descendente de uma família rica do período colonial. Ele está sempre disposto a conseguir o melhor para sua vida. Apesar de ser alto executivo do Banco Nacional Angolano, Joãozinho desvia os fundos da própria instituição onde trabalha.

Crítica:

Avaliação: a conferir

Read more...

Sorria, Você Está na Barra!

País: Brasil
Ano: 2014
Gênero: Documentário
Duração: 72 min
Direção: Izabel Jaguaribe
Elenco: -

Sinopse: o filme revela o estilo de vida e a pluralidade da Barra da Tijuca, bairro da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Imagens raras de arquivo mostram o nascimento do bairro e seu crescimento a partir dos anos 60.

Crítica:

Avaliação: a conferir

Read more...

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Cake – Uma Razão para Viver

País: EUA
Ano: 2014
Gênero: Drama
Duração: 102 min
Direção: Daniel Barnz
Elenco: Jennifer Aniston, Sam Worthington, Anna Kendrick, Felicity Huffman, Mamie Gummer, Chris Messina, William H. Macy e Britt Robertson.

Sinopse: Claire Simmons (Jennifer Aniston) é uma mulher traumatizada e depressiva, que busca ajuda em um grupo para pessoas com dores crônicas. Lá, ela descobre o suicídio de um dos membros do grupo, Nina (Anna Kendrick). Claire fica obcecada pela história desta mulher, e começa a investigar a sua vida. Aos poucos, começa a desenvolver uma relação inesperada com o ex-marido de Nina, Roy (Sam Worthington).

Crítica: conhecida pelos papeis cômicos em filmes e seriados de TV, Aniston está irreconhecível neste filme. Envelhecida e marcada por cicatrizes, sua personagem é desbocada, ranzinza, egoísta e cruel e realmente convence em sua atuação. Fisicamente, faz movimentos sutis, por conta das dores crônicas da personagem, devido a um acidente de carro.
As pistas do que houve vêm aos poucos. Descobrimos que Claire perdeu um filho, que rompeu seu casamento, que toma remédios e faz fisioterapia para superar as dores, que nas sessões de terapia conhece Nina (Anna Kendrick), que comete suicídio.
O trauma é imenso e Claire só tem a empregada (vivida pela excelente atriz Adriana Barraza) para apoiá-la, ainda que a trate mal, tendo em vista que se afastou de todos. Ela, então, aproxima-se do viúvo de Nina e desenvolve uma estranha relação com ele.
O filme tem cenas ótimas e diálogos que abusam do sarcasmo e do humor, apesar do clima tenso. Essa dosagem é bem feita e a trama conquista o espectador, sem se tornar enfadonha ou melodramática demais. É uma história de como superar ou lidar com uma perda – ainda que não original em sua premissa –, mas que surpreende pela forma como a protagonista se comporta e vive as situações do dia-a-dia, tentando virar a página.

Avaliação: ***

Read more...

Pássaro Branco na Nevasca (White Bird in a Blizzard)

País: EUA
Ano: 2014
Gênero: Drama
Duração: 91 min
Direção: Gregg Araki
ElencoShailene Woodley, Eva Green, Christopher Meloni, Shiloh Fernandez, Gabourey Sidibe, Thomas Jane e Angela Bessett.

Sinopse: Eve Connors (Eva Green), mãe de Katrina (Shailene Woodley) abandona a família, deixando todos em estado de choque. Kat e seu pai tentam colocar a vida em dia, mas logo a jovem começa a ter sonhos perturbadores. Aos poucos, ela irá perceber que há uma verdade terrível por trás do desaparecimento da mãe.

CríticaGregg Araki, diretor do excelente “Mistérios da Carne” (2005), foca sua trama novamente nas relações familiares denegridas pela insatisfação, frustração e infelicidade.
Abusa do suspense para contar a história da adolescente Katrina (Shailene Woodley) que precisa se acostumar com o desaparecimento repentino da mãe. A trama divide-se em alguns períodos de tempo, entre o presente e o passado, para situar o espectador.
Tudo que parecia ser não é, e o diretor, de fato, consegue prender a atenção e surpreender ao final, mesmo que com algumas falhas como a situação forçada entre o namorado de Katrina e o pai dela, para justificar o desfecho do mistério que envolve a família. O apelo sexual entra na história e é um forte componente.
Os diálogos e os comportamentos dos personagens, aos poucos, vão fazendo sentido para o público, por meio de um roteiro bem construído.
Não tão inteligente quanto seu filme anterior, mas ainda melhor do que muitos do gênero, em cartaz no cinema. 

Avaliação: ***

Read more...

A Viagem de Yoani

País: Brasil/Cuba
Ano: 2014
Gênero: Documentário
Duração: 73 min
Direção: Peppe Siffredi e Raphael Bottino
Elenco: -

Sinopse: a blogueira cubana Yoani Sánchez construiu seu primeiro computador e criou um blog mesmo sem ter acesso à internet em casa. Hoje, sua e página recebe milhões de visitantes por mês. Depois de anos tentando obter permissão para viajar, a principal opositora dos irmãos Castro dentro da ilha veio ao Brasil, onde encontrou muita polêmica, a fim de discutir a liberdade de expressão no mundo atual.

Crítica: fui assistir ao filme com uma expectativa e saí frustrada, não pela história em si, mas pela forma como foi contada.
O documentário é mal executado, carece de material e de pesquisa, de aprofundamento dos fatos. Apenas lança imagens de Yoani no Brasil em eventos desorganizados em que os brasileiros demonstraram total falta de respeito ao não deixar a blogueira responder às perguntas e expor suas ideias. Afinal, como se pode discordar se você não ouve o que outro tem a dizer? Os protestos contrários são ridículos, sem conhecimento de causa e repletos de frases prontas e discursos retrógrados.
Os recursos gráficos utilizados são até razoáveis para retratar sua conexão com a internet que ganhou o mundo em noticiários internacionais, expondo seus pensamentos e críticas a respeito de Fidel Castro e da situação em Cuba.
Mas precisaria ir além, ouvir melhor quem era a favor ou contra sua presença aqui. Questionar, de fato, o porquê de tanta manifestação e dúvida sobre o trabalho da blogueira que recebeu vários prêmios desde que decidiu falar.
O filme é muito vago, não trazendo nada de novo ou que conquiste o interesse do espectador.

Avaliação: **

Read more...

Garotas (Bande de Filles)

País: França
Ano: 2014
Gênero: Drama
Duração: 112 min
Direção: Céline Sciamma
Elenco: Karidja Touré, Assa Sylla, Lindsay Karamoh e Mariétou Touré.

Sinopse: Marienne (Karidja Touré) é uma menina de 16 anos que vive cercada de proibições: a censura do bairro, a lei dos meninos, os impasses da escola. Entretanto, as coisas parecem mudar quando ela encontra três meninas que resolveram lutar por sua própria liberdade. Com elas, Marienne aprende a rir, gritar e aproveitar a sua juventude.

Crítica: o filme tem sua graça ao retratar a difícil fase da adolescência de meninas negras que moram no subúrbio de Paris.
A vida difícil, as responsabilidades precoces, o sentimento de exclusão pelo lugar em que vivem, a violência e o autoritarismo dentro de casa, os problemas na escola, as poucas oportunidades – tudo isso pesa para quem ainda é tão jovem e precisa tomar decisões que podem dar um rumo promissor ou não. Poucos são os momentos de felicidade ou alívio da “sobrecarga” diária.  
No entanto, o roteiro tem pouco conteúdo e as personagens poderiam ter sido mais trabalhadas.
Marienne é o destaque do filme que sente-se perdida, tendo uma única certeza: de que quer ser feliz, sem depender de ninguém. Ela quer respirar, encontrar um caminho, o que realmente não é fácil.

Avaliação: **

Read more...

O Violinista do Diabo (The Devil’s Violinist)

País: Alemanha/Itália
Ano: 2014
Gênero: Biografia
Duração: 122 min
Direção: Bernard Rose
Elenco: David Garret, Jared Harris, Christian McKay, Joely Richardson, Veronica Ferres, Olivia d'Abo, Helmut Berger e Andrea Deck.  

Sinopse: o filme retrata a vida do compositor e violinista italiano Niccolò Paganini (David Garrett), que alcançou a fama de sedutor, virtuoso e polêmico, envolvido em vários escândalos no início do século 19. Acreditava-se que ele havia feito um pacto com o diabo para tornar-se um grande violinista.

Crítica: muito se teria para contar e mostrar sobre a trajetória do violinista Paganini (David Garrett), mas o roteiro enfadonho estraga qualquer chance de conexão com o espectador. Com exceção do repertório musical, tudo é perdido no filme.
As atuações são lastimáveis, distantes de qualquer naturalidade, a produção parece carecer de recursos usando cenários falsos que lembram um seriado de TV de péssima qualidade e o desenrolar dos fatos é atropelado, deixando muitas coisas sem qualquer explicação, como por exemplo, o aparecimento do filho de Paganini. Ninguém sabe quem é a mãe ou quando foi gerado; simplesmente entra em cena.
Realmente, é uma obra difícil de ser vista até o final, tamanho amadorismo do diretor. Paganini merecia um melhor retrato de sua vida e obra.

Avaliação: **

Read more...

Cães Errantes (Jiao You)

País: China/França
Ano: 2014
Gênero: Drama
Duração: 138 min
Direção: Tsai Ming Liang
Elenco: Lee Kang-Shen, Ly Yi-Ching e Lee Yi-Cheng.

Sinopse: em um bairro pobre de Taipei, mora um homem na faixa dos quarenta anos, desempregado, com seus dois filhos. Sem emprego e abandonado pela esposa, ele enfrenta grandes dificuldades para satisfazer as necessidades de seus filhos. Um dia, ao levar seus filhos para passearem no shopping, ele conhece Xiao Lu por quem se envolve. No entanto, as lembranças da sua ex-mulher podem afetar seu novo relacionamento.

Crítica:

Avaliação: a conferir

Read more...

Para o Que Der e Vier (Are You Here)

País: EUA
Ano: 2014
Gênero: Comédia
Duração: 114 min
Direção: Matthew Weiner
Elenco: Owen Wilson, Zach Galifianakis, Amy Poehler e Laura Ramsey.

Sinopse: dois amigos na faixa dos trinta anos de idade (um apresentador de programa de meteorologia e o outro desempregado) só pensam em fugir das responsabilidades da vida de adulto. Mas esta rotina se transforma quando o pai de um deles morre, deixando como herança para o filho uma loja, uma casa no campo e milhões de dólares. Já sua irmã não recebe nada.

Crítica: tudo começa com a morte do pai de Ben (Zach Galifianakis, de Se Beber, Não Case!), o que força seu melhor amigo Steve (Owen Wilson, de Bater Ou Correr) a deixar de lado seu trabalho como apresentador de televisão para ir ao enterro. Em sua cidade natal, o novo órfão descobre que herdou todas as propriedades do finado, o que o coloca em crise.
Quem não ficou feliz com a situação foi Terry (Amy Poehler), a irmã certinha de Ben. Ela esperava assumir os negócios da família e desconfia da pureza do amor da jovem viúva Angela (Laura Ramsey). A madrasta, Ben e Steve começam a conviver na casa do pai até que o herdeiro consiga tomar um rumo em sua vida.
O filme tem um elenco de atores cômicos de peso, algumas piadas – principalmente no início –, mas que acabam por pecar no exagero. A graça poderia vir de diálogos inteligentes, situações embaraçosas, e não somente de piadas forçadas e cheias de pretensão.
O roteiro é fraco e se perde ao tentar ser engraçado o tempo todo. Cai na obviedade e numa narrativa óbvia que só enfraquece seus personagens.
E para piorar o filme se estende além da conta, que tem até uma história razoável para contar, porém mal desenvolvida.

Avaliação: **

Read more...

Bilheterias Brasil - TOP 10

Seguidores

  © Blogger templates Newspaper III by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP